Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Barbaro4.jpg

 

 

Salur acordou de manhã, mais uma manhã fria e húmida na aldeia de Bitouriv no alto das montanhas de AAllanguur, pegou na sua espada e começou a praticar os movimentos que o pai lhe ensinara, corte de alto a baixo cruzado, roda o pulso, baixo para cima cruzado, roda o punho, varrimento horizontal, roda o punho, varrimento horizontal para o lado contrário, roda o punho, estocada, roda a lâmina, recolhe, passo a trás, defesa baixa, defesa alta, dobra o joelho, defesa sobre a cabeça, salta e um alto a baixo com a espada a ficar cravada no chão e repete, repete até os movimentos ficarem mais fluidos, mais rápidos, mais fortes.

Apesar do o tempo estar frio e cinzento, Salur estava só de calções e botas, o seu corpo suava e pingava para o chão coberto de neve que ia caindo, os movimentos repetitivos prosseguiam, um atrás do outro, fluíam cada vez mais, mas ainda tinha muito para aprender, muito que praticar e pouco tempo a perder.

No horizonte o dia aproximava-se do fim, a noite estava a chegar e era tempo de parar, secou o suor e foi para casa, amanhã seria outro dia, mais um dia para treinar e ficar melhor e mais forte, desde que perdera os seus pais num ataque sangrento à sua aldeia que Salur se isolou e passava os dias a treinar, alimentado pela raiva de ter sido impotente para impedir a morte de da sua família a forma como ficara escondido com medo do inimigo, enquanto o seu pai lutava, rodeado de corpos caídos a seus pés até que uma lança se cravou no seu peito, empalando-o cobrindo de vermelho a neve a seus pés, Salur não reagiu, nada fez, chorou apenas, depois viu a sua mãe ser arrastado pela neve e a ser levada para o meio da rua onde os inimigos a despiram e a amarraram de pernas e braços abertos, assim como a outras mulheres da aldeia e as violaram e lhes batiam até se cansarem delas o que demorou dias, enquanto comiam e bebiam, no sitio onde a sua mãe o escondera viu tudo, chorou tudo, mas nada fez, nada, apenas chorava.

Quando finalmente se foram embora correu para a sua mãe, mas a mesma estava morta, ainda amarrada de pés e mãos, mas falecera das feridas no seu corpo e do frio, assim como as restantes, procurou por sobreviventes mas ninguém encontrou, sozinho enterrou todos os mortos, passou dias a cavar sepulturas e enterrou todos, começando pelos seus pais, depois começou o seu treino intensivo e é só isso que tem feito enquanto à luz, treino e mais treino.

Entrou em casa e sentou-se à lareira, acendeu o fogo onde um caldeirão assentava sobre a madeira que agora ardia, pegou em pão duro e uma malga e sentou-se à mesa à espera, assim que o caldeirão começou a fumegar retirou uma concha do seu conteúdo e comeu com toda a fome que tinha, e repetiu até saciar a mesma, retirou o caldeirão do fogo e colocou-o a um canto, depois deitou-se, a sua cama estava em frente à lareira, cobriu-se com as peles de Bellerofante e sucumbiu ao cansaço!

 

Com o passar dos anos Salur tornou-se mais forte, mais ágil, nos dias em que não treinava, ia caçar, ou ia buscar lenha, percorria quilómetros para encontrar comida ou lenha devido à zona árida onde vivia, com o tempo largou a aldeia e subiu ainda mais a montanha, tornando-se um eremita, a razão é porque a aldeia voltou a ter gente, voltou a ter pessoas, pessoas que fugiam das cidades devidos aos conflitos começaram a povoar as aldeias desertas nas montanhas, Salur não gostava da companhia e por isso subiu ainda mais a montanha, lá bem no alto construiu a sua nova casa sozinho, transportando madeira por quilómetros a pé, carregando-a ás costas montanha acima, fez o seu próprio barro com que isolou a casa, olhando hoje para Salur já ninguém o conhecia, tinha mais de 1.90 metros de altura, e uma barba e cabelo que nunca tinham sido cortados, o corpo era extremamente musculado  envergando uma força inumana, mas tinha apenas 22 anos, não mais, estava só à 16, recordava sempre aquela noite acendendo uma tocha bem no alto da montanha mais alta em todos os aniversários da morte de toda a sua família e ficava lá sentado ao frio toda a noite à espera de um sinal.

 

Hoje era uma dessas noites, a tocha ardia no cume e ele ali estava sentado em silêncio, em baixo, muito em baixo a sua aldeia natal via-se hoje mais do que nos outros dias, estava mais iluminada, olhou com mais atenção e reparou que a aldeia ardia, com toda a rapidez, levantou-se, pegou na sua espada e desceu a montanha a toda a velocidade, ao chegar a aldeia um grupo de cavaleiros atacava a aldeia, havia corpos de aldeões pelo chão, montavam cavalos negros como a noite e vestiam-se todos de negro, eram quase impossível contá-los, mesmo assim pareciam mais de 30, viram-no e um cavaleiro correu na sua direção, atacando-o, Salur num movimento rápido da espada cortou a cabeça do cavalo e o homem que o atacava ao meio caindo os dois nas suas costas, enquanto que as partes decepadas caíram a seu lado, os outros cavaleiros viram e atacaram, Salur saltou para cima do primeiro cavalo que o atacava cravando a sua espada na cabeça do homem, depois saltou para o do lado cortando um outro cavaleiro a meio no movimento e pontapeando no peito o cavaleiro do cavalo para onde agora saltara, depois saltou para o chão e esperou por mais no meio da estrada, coberto de sangue dos seus inimigos.

Uma voz do passado gritou para os outros, “Vamos, esta gente não tem nada!”

Salur olhou-o e correu na sua direção, mas os cavaleiros foram mais rápidos e saíram do seu alcance, coberto pela raiva quis segui-los mas foi despertado pelo choro de crianças atrás de si, primeiro ajudar os vivos, depois enterrar os mortos, depois o cavaleiro negro morrerá!

Salur gritou a plenos pulmões, era a primeira vez que falava em 16 anos.

- Vais morrer porco, vais morrer!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:28



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D


Pesquisar

  Pesquisar no Blog